sexta-feira, 25 de abril de 2008

Liberdade

Ontem apenas fomos a voz sufocada
dum povo a dizer não quero;
fomos os bobos-do-rei
mastigando desespero.
-----------
Ontem apenas
fomos um povo a chorar
na sarjeta dos que, à força,
ultrajaram e venderam
esta terra, hoje nossa.
-----------
Uma gaivota voava, voava, asas de vento, coração de mar.
Como ela, somos livres, somos livres de voar.
-----------
Uma papoila crescia, crescia, grito vermelho num campo qualquer.
Como ela somos livres, somos livres de crescer.
-----------
Uma criança dizia, dizia"quando for grande não vou combater".
Como ela, somos livres,somos livres de dizer.
-----------
Somos um povo que cerra fileiras,
parte à conquistado pão e da paz.
Somos livres, somos livres,não voltaremos atrás.

"Uma gaivota" de Ermelinda duarte.

4 comentários:

casaca disse...

Boa noite Sara!
Muito obrigada pela simpática visita e pelo comentário.
Espero que tenhas tido um óptimo dia...
Bom fim-de-semana.
Tudo de bom.

Bjs *****

**Suspiro** disse...

Abril, abril...

Estaremos nós a fechar as portas que Abril abriu?

(Un)Hapiness disse...

um bem haja aos capitaes de abril que, na busca de regalias, iniciaram algo que bah...se confundiu com revolução...

nada mau, sempre teve algum fruto! lol


kiss

Utopia disse...

Vivas as adolescentes que ainda conhecem esta música! Parabéns aos pais!!!!